Construir uma marca forte que impulsiona os negócios não é tarefa fácil hoje. Você precisa ser altamente relevante para um consumidor em constante evolução, que também sofre com a falta de tempo e pouca atenção.

Seus produtos e serviços devem ser distintos para se destacar no mar de mesmice de ofertas. E você não pode ficar parado – é preciso continuar inovando e fazendo avançar sua marca e seus negócios.

Qual é a única superpotência que qualquer líder de negócios deve desejar para expandir a marca e os negócios? Pessoas! Ter uma força de trabalho talentosa, alinhada com a visão, inspirada pela cultura, motivada a dedicar o máximo de seu tempo à organização todos os dias, ajudará a trazer resultados melhores aos negócios e o melhor, sustentáveis e de longo prazo.

O que isso tem a ver com marca?

Frequentemente, os líderes pensam na marca como uma manifestação externa do negócio por meio da identidade e das comunicações. Mas usar a marca internamente – dentro da empresa – para envolver seu pessoal pode ser uma verdadeira virada no jogo, que agrega um enorme valor aos negócios. Quando centenas (ou milhares) de funcionários adotam uma visão compartilhada da marca e agem no seu melhor interesse todos os dias, a marca é fortalecida e, portanto, o negócio também.

Aqui está uma sequência lógica simples de como funciona:

Marca -> Cultura -> Experiência do funcionário -> Experiência do cliente -> Resultados do negócio.

A marca ajuda a definir o motivo de sua existência como empresa; seu próprio objetivo e por que os funcionários acordam de manhã e estão animados para trabalhar todos os dias. Os valores e crenças da marca são traduzidos para a cultura ou “a maneira como fazemos as coisas aqui”.

A cultura é essencial para a experiência dos colaboradores. É a maneira como eles são tratados e como eles tratam os outros, incluindo seus colegas de trabalho, parceiros, clientes e outros.

Os funcionários são responsáveis ​​por definir, projetar e fornecer experiências aos clientes construídas com produtos e serviços que encantam os clientes. Eles precisam colaborar, inovar e executar incansavelmente para entregar.

Você pode ver claramente que a capacidade de uma marca de entregar seu objetivo aos clientes e ter sucesso depende em grande parte dos funcionários e de sua experiência, porque quando esse elemento é fraco, há um efeito dominó nos negócios.

Então, quais são as implicações dessa linha de pensamento?

Sem dúvida, a contratação de grandes talentos é uma prioridade, embora muitas empresas ainda estajam preocupadas somente em preencher vagas e não escolhere os melhores candidatos de fato. Como você trata o talento quando ele entra pelas portas é tão importante quanto o processo de contratação. As empresas com alta pontuação no engajamento dos funcionários são tão rigorosas quanto ao gerenciamento ativo da experiência dos funcionários quanto ao gerenciamento ativo da experiência do cliente. Elas mapeiam a “jornada dos funcionários” da mesma maneira que mapeariam a “jornada dos clientes”. Elas determinam as etapas da jornada e fazem um levantamento dos pontos de contato dos funcionários em todas as etapas dentro da organização. Os grupos focais de funcionários ajudar a entender as necessidades em cada estágio. A marca, seus valores e suas crenças são usados ​​para definir e projetar cada interação dos funcionários. O processo pode ser conduzido pelo RH, mas a Comunicação Interna e o Marketing devem se associar ao RH em várias etapas.

Há uma ênfase crescente na marca empregadora, o que significa que você deve desenvolver e gerenciar a marca da empresa aos olhos dos funcionários atuais e potenciais. Hoje, os funcionários são muito mais cuidadosos e cautelosos com a reputação das empresas em que ingressam. Eles precisam da garantia e confiança de uma marca empregadora que entregue e sustente suas promessas.

Os objetivos de todos esses esforços são usar a marca para atrair, engajar e reter os principais talentos para obter vantagem competitiva e turbinar os números do negócio.

Caio Infante
Por Caio Infante

Formado em Publicidade e Propaganda pela ESPM e com MBA em Gestão Internacional pela University of Technology, em Sidney, na Austrália. Fez carreira internacional trabalhando em agências de publicidade australianas; voltando ao Brasil atuou na Trabalhando.com no início das operações – entre 2008 e 2010 – como diretor comercial e de Marketing, chegando a Country Manager da operação alguns anos depois, onde ficou por 3 anos. Liderou ainda a área de novos negócios e mercados na Catho. É Diretor Geral para a América Latina da agência global TMP Worldwide, focada em EVP e Employer Branding.