Desde que comecei a trabalhar nesta área pude vivenciar sua implantação do zero, em múltiplos cenários: em diferentes estruturas, perfis de time, culturas, mindsets.

Foram muitas descobertas e hoje venho dividir algumas reflexões e caminhos, para que sua jornada seja de muito sucesso.

Partindo do ponto que sabemos o que Employer Branding significa, faz e sua importância no negócio, vamos para o que viemos focar hoje.

1.Antes de falar em ter uma proposta de valor sólida e atraente, com uma frase aspiracional bonita, você sabe em quais quesitos sua empresa se diferencia das outras? Isso é, de fato, reconhecido pelas pessoas que trabalham nela?

Antes de definir qualquer posicionamento, converse com pessoas de diferentes áreas, cargos, senioridades, faça uma pesquisa interna exploratória. No paralelo vá atrás de dados (os que tiver disponíveis): resultados de pesquisas de clima, attrition, turnover, feedbacks de desligamentos, avaliações no Glassdoor, motivo de declínio em processos seletivos, etc. Cruze todas as informações quantitativas e qualitativas e entenda o que aparece como padrão, o que os números e as pessoas te contam? O que você, de fato, tem segurança pra falar externamente sobre sua empresa? É indispensável ter um diagnóstico claro de fortalezas e fraquezas antes de qualquer outra coisa.

2. Depois que chegar nesse diagnóstico, já posso montar meu plano de ação, certo?

Não. Entenda que a área de Employer Branding (seja estando dentro da área de marketing, talent, recrutamento, people experience) não cria nada sozinha. A definição de quais serão suas áreas parceiras e criação de ritos frequentes de alinhamento é outro ponto crucial para uma estratégia de sucesso. Construa junto, não comece abrindo canais novos, criando conteúdos para as redes sociais ou montando uma página de carreiras bonita, sem validação e alinhamento se aquilo realmente faz sentido. E mais que isso: busque evidências do que está falando. Um exemplo, se você vai falar que as pessoas são felizes trabalhando na sua empresa, mostre como isso acontece na prática, traga protagonismo para que elas falem por você, prove com dados. Transmita confiança!

3. O que mais eu preciso ter pra começar? Existe um checklist padrão?

Não existe checklist, receita de bolo, nem 5 passos que funcionem para todas as empresas. Muitas esperam ter um EVP consolidado, um time multidisciplinar dedicado, alto investimento, uma visibilidade da área (ou todos sabendo o que Employer Branding faz) para começar, e o que acontece na maioria das vezes? Frustração, a maioria desiste. Por isso, a partir do momento que você tiver claro quais são as mensagens chave que irão mostrar seu valor, com consistência e evidências, comece com o que você tem e implemente pequenas ações que gerem grande resultado. O que você consegue fazer com o que você tem? As possibilidades são muitas, e você com certeza já ouviu: produza conteúdos, faça posts, abra novos canais próprios, invista em uma boa página de carreiras, defina um calendário de eventos, faça parceria com comunidades, tenha uma estratégia de PR, crie um programa de embaixadores. Tudo isso é possível? Sim, mas o que é coerente e viável pra você, hoje?

o que é employer branding

 

4. Seguindo essa lógica de raciocínio, quais são as chances de sucesso?

Com certeza mais do que você tinha, antes de ler até aqui. Mas isso é uma garantia? Não. O principal problema hoje são empresas que começam a todo vapor, e não sustentam uma estratégia a longo prazo, se perdem no meio do caminho. E por que? Um plano de ação sem planejamento, é só um projeto. Portanto, além de priorizar as ações, é crucial estabelecer papéis claros, responsabilidades, compromissos, metas, rotinas de acompanhamento, mensuração de resultados, constância. Só assim você conseguirá, de fato, ter uma vantagem competitiva.

E por fim, tenha paciência, trabalhe sua resiliência! Os resultados não vêm do dia para a noite. Você não vai começar em um dia e na semana seguinte já ter o dobro de pessoas candidatas sedentas por trabalharem na sua empresa. Quando tiver pequenas conquistas, comemore, leve visibilidade para as lideranças, mostre como pequenos resultados podem gerar grande impacto. E não pare de falar sobre Employer Branding, entenda que muitas pessoas não sabem o que essa área faz e, quando sabem, ainda sempre terão dúvidas.

Repita quantas vezes for preciso até que isso esteja disseminado e claro.

E você, em qual momento está? O que mais você quer saber sobre Employer Branding?

Carolina Dinis
Por Carolina Dinis

Employer Branding Manager na Zup Innovation