Uma vez que o candidato aceita a proposta de uma empresa, ele entra em uma jornada que chamamos de experiência do colaborador (do inglês, employee experience, ou EX).

Engana-se quem pensa que ela é apenas sobre criar um ambiente de trabalho legal. Quando se fala em construir “lugar legal para trabalhar”, há muito mais em jogo. O EX envolve as percepções e sentimentos dos seus colaboradores sobre todos os aspectos de interação (touch points) e experiência que recebem, ou seja, não só o ambiente do escritório, mas também os relacionamentos, comunicações, oportunidades de desenvolvimento pessoal, entre outros. Envolve aspectos tangíveis e intangíveis/emocionais. De forma geral, abrange questões relacionadas à cultura, tecnologia e estrutura física da sua empresa.

Para formá-la, é interessante analisar tanto as expectativas dos colaboradores quanto o que a empresa, de fato, oferece para satisfazê-las. Agora, por que investir nela mesmo?

Como e por que manter uma EX de sucesso?

O papel das marcas é, cada vez mais, simplificar a vida das pessoas, oferecendo a elas soluções e experiências relevantes e eficazes. E o foco delas, neste contexto, é, então, gerar experiências positivas, satisfazendo necessidades e desejos com o fim de promover memória positiva.

Partindo desse pressuposto, é interessante investir no engajamento e desenvolvimento dos seus colaboradores. Isto significa fazer com que eles se sintam pertencentes e, mais, donos do negócio. Assim, eles vão se dedicar mais no dia a dia também e trazer mais valor à sua empresa.

Também é preciso dar insumos a eles para que realizem o seu trabalho com eficiência e agilidade. Mas, além disso, o que vai importar m-e-s-m-o para reter os seus colaboradores é a experiência que eles têm na sua empresa. Aliás, esta experiência determinará, inclusive, o quão fácil sua empresa atrairá seus próprios candidatos ou não. Isto porque ela impacta diretamente na reputação da sua marca empregadora e na imagem que as pessoas têm dela.

Experiências positivas podem transformar seus colaboradores em promotores ao invés de detratores da sua marca. E isto pode impactar não só no ganho de candidatos, mas também no ganho de clientes! Afinal, marca empregadora e marca comercial andam juntas.

Para construí-la, entenda a jornada que seus colaboradores seguem, desde a Admissão, Onboarding, Engajamento, Treinamento&Desenvolvimento e Crescimento até a Saída/Conexão. Entenda com o seu público interno quais são, em cada etapa desta jornada, estes seguintes itens: pontos de contato, ações do colaborador, emoções e sentimentos, pontos de dor e os benefícios entregues pela empresa. A partir daí, você consegue perceber os momentos de decisão e os momentos de frustração, em que você deve investir seu esforço de mudança e melhoria. Isto te levará a alcançar uma jornada ideal.

Os passos para construir advogados de marca

Um dos grandes objetivos de ter uma experiência interna de sucesso é gerar colaboradores que sejam promotores da sua marca, ou seja, que advoguem em prol dela. Para gerar advogados da sua marca, é interessante seguir os passos abaixo:

  1. Defina metas claras: por que você quer criar o programa? É para gerar reconhecimento de marca, aumento de vendas, contratação de profissionais, etc?;
  2. Identifique sua equipe e tenha um kick-off forte: entenda quem gostaria e poderia se comprometer neste programa, seja dentro da sua central como em suas filiais. Com isto, recrute seus funcionários mais socialmente ativos e engajados e entenda o interesse deles em se tornarem embaixadores da marca;
  3. Crie uma política para os seus advogados de marca: defina o que sua empresa tem a dar a eles e o que eles têm a dar à empresa;
  4. Ensine a eles o “why” e o “how”: tenha um portal de educação para os seus funcionários e deixe claro o porquê do programa e como ele será feito, como eles podem criar conteúdos sobre a sua marca;
  5. Lembre seus funcionários sobre o programa: tenha uma boa estratégia de comunicação diária ou semanal para manter seus funcionários voltados para o programa. E tenha um boletim mensal das suas vagas e estímulos à indicação;
  6. Crie incentivos: importante para engajar o comportamento regular dos seus funcionários;
  7. Rastreie métricas: analise as métricas de reputação (falei mais delas aqui) dos seus funcionários, acompanhadas também pela análise do compartilhamento de conteúdo. Torne os insights acessíveis e direcionadores das decisões da sua empresa;
  8. Otimize regularmente: defina uma cadência e tipos de conteúdo que melhor o(a) ajudarão a realizar os seus objetivos de negócio e otimizar os seus esforços.

Como ter líderes preparados para a Era Digital

Você pode ajudar os seus líderes a aproveitar o poder da sua marca pessoal e melhor desempenhar na questão de envolvimento online nas suas redes. E isto é essencial na comunicação de uma marca, uma vez que pesquisas mostram que a intensa maioria das pessoas confiam mais em empresas em que o CEO é presente no LinkedIn. Ter o C-level lá também traz ganhos importantes.

E como os seus líderes podem fazer isso?

  • Conectando-se a pessoas importantes;
  • Mantendo contato com clientes e parceiros;
  • Sendo um dos líderes nas ideias do seu mercado, tornando também sua empresa uma das vozes no mercado;
  • Mostrando o que sua empresa tem, seus líderes, seus times e vagas.

De forma geral, aproveite dos seus colaboradores e líderes para fortalecer a proposta da sua marca. Isto faz com que as pessoas sintam que estão dando uma “espiada” mais íntima na sua empresa. E tem também um poder enorme de gerar:

VERDADE + AUTENTICIDADE + FOCO EM PESSOAS

Assim, crie uma experiência interna de sucesso e advogados da sua marca. Não perca a oportunidade incrível de humanizar sua marca e fazer com que ela tenha mais e mais diversas vozes. Construa uma jornada positiva para gerar lembranças memoráveis.