Aqui vão apenas ideias de como aproveitar sua vida e sua carreira AGORA!

Em meu último texto no LinkedIn, eu comentei um pouco sobre ‘Felicidade’ (relembre ele aqui) e mostrei, com alguns estudos científicos, como podemos trabalhar arduamente nossos pensamentos e ações para sermos felizes (temos 90% dos determinantes da felicidade em nós!).

No entanto, senti vontade de abrir um parênteses para a situação em que estamos vivendo atualmente. Como podemos, apesar de  tudo, trabalharmos para sermos mais felizes HOJE? Já era difícil fazer isso em um ambiente que ‘supostamente’ conhecíamos e tínhamos ‘mais’ controle sobre, imagina agora.

Se as mudanças em nossa vida pessoal já nos desconcertaram, o que dizer das que sofremos no trabalho? No mesmo texto passado, eu falei também da ‘Felicidade no Trabalho’, que é basicamente a percepção de que o tempo no trabalho é bem vivido, com motivação, e de que o que se faz tem valor. Mas, sabemos bem que esta felicidade e este ‘tempo bem vivido’ estão muito atrelados ao ambiente e às pessoas com que interagimos. Então, nesta quarentena – em que não temos aquele cafezinho, aquele almoço, aquele espaço de descompressão, aquela conversa no corredor ou aquele Happy-Hour – como podemos, ainda assim, sermos felizes AGORA?

Se, até então, muitos de nós tínhamos pensamentos como “Ah, quando tudo isso voltar ao normal, eu vou…” – e aqui cometemos um grande erro, e também responsável pela maior parte dos problemas de ansiedade da nossa geração: viver o presente com olho no futuro – com muitas empresas recentemente declarando home-office até o final deste ano ou até mesmo repensando a necessidade de terem escritórios físicos depois da pandemia, fica a pergunta: “É realmente interessante esperar tudo isso passar para fazer o que quero fazer?”

Mais do que isso, podemos nos perguntar: “É justo comigo mesmo(a) ‘pausar’ minha vida até que ela volte a ser SEMELHANTE ao que era antes?” Semelhante porque ela nunca mais será a mesma. E você nunca mais será o mesmo(a) também.

“Nós não podemos nunca entrar no mesmo rio, pois, como as águas, nós mesmos já somos outros.” – Heráclito de Efeso

Então, será que não valeria mais a pena fazer já e viver logo? Vamos falar mais disso!

IDEIAS PARA APROVEITAR O AGORA

Mais uma vez, eu baseio este texto em algumas referências tiradas do curso ‘The Science of Well-Being’, pela Universidade de Yale, e em uma live feita pela professora Laurie Santos logo no início da quarentena (mas que se mantém pertinente até hoje).

Sendo assim, aqui vão algumas ideias do que podemos fazer para trabalharmos bem aqueles 90% de influência em nossa felicidade:

A.   CULTIVE EMOÇÕES POSITIVAS

Antes de tudo, é importante termos compaixão pelo que estamos vivendo e cuidar das nossas expectativas. Além disso, lembra do meu último texto, em que comentei como a Psicologia Positiva define ‘Felicidade’ como sendo a junção de ‘Emoções Positivas’ e ‘Propósito’? Pois bem, é hora de focar nas emoções positivas agora! Vamos ver algumas formas de fazer isso:

A.1 Criação de experiências positivas

Seja proativo(a) e use esta nova situação para formar novos hábitos, sem medo de errar. Você pode começar algo que sempre quis fazer ou testar algumas coisas como ‘noite de jogos’, cozinhar jantares, convidar amigos para uma call ou até mesmo para praticarem um exercício ou yoga juntos. As conversas são algumas das coisas que mais sentimos falta, não? Mas você pode criar essas conexões sociais aí, não faça só conferências de trabalho! E, mesmo nelas, tente dar um tom mais leve quando possível. Faça “calls-supresa” para aniversários e calls de Happy-Hour, só para ilustrar algumas possibilidades.

Todos os exemplos acima são fáceis de fazer e criá-los agora pode tornar mais fácil de mantê-los depois. Além disso, eles podem ajudar no seu bem-estar geral. Outra questão interessante é pensar em usar este tempo para fazer algo positivo a desconhecidos. Apenas o fato de ficar em casa pode ser encarado como um ato de generosidade nos dias de hoje. Mas você pode também aproveitar para fazer doações a ONGs, ajudar amigos e familiares e até apoiar negócios locais através de compras/pedidos online.

Uma prática super simples também é a de pensar nas coisas positivas que você tem e duplicá-la(s). Há dois exercícios interessantes para isso: o ‘Savoring’ (ou ato de Saborear) e o ‘Daily Gratitude Journal’ (ou Diário de Gratidão). Vou explicar mais deles a seguir:

A.2 Savoring

É o ato de se distanciar de uma experiência para revê-la e apreciá-la. Muitas vezes, acabamos nos dispersando do momento presente e não aproveitamos profundamente as experiências, não é? Mas o ato de ‘savoring’ (ou ‘saborear’) intensifica e aumenta a duração das emoções positivas que vem com a ação de fazer algo que você ama. Então, topa o desafio?

Pelos próximos 7 dias, tente pegar experiências para realmente desfrutar (pode ser uma refeição, uma conversa ou apenas um momento vendo TV). Quer expandir o exercício ainda mais? Aqui vão algumas dicas:

  1. Pergunte-se porque esta experiência te faz feliz. Pense em como sortudo(a) é por poder aproveitar tal momento.
  2. Compartilhe esta experiência com outra pessoa ou tire uma foto do momento para guardar.
  3. Esteja presente durante todo o momento e tente demonstrar expressões físicas do que está sentindo (pode gritar, rir ou gargalhar mesmo).
  4. Toda noite, faça uma nota do que você saboreou, em um papel, no seu celular, etc. Uma dica: use o app ‘ReWi’, desenvolvido pela própria Universidade de Yale.

Evite ir para algumas armadilhas nas quais acabamos caindo, como:

  • Não estar presente no momento ou focar no futuro;
  • Pensar que esta experiência não durará para sempre ou acontecerá de novo;
  • Encontrar outro ponto de referência e pensar que o que está vivendo não é tão bom quanto o que você esperava.

A.3 Daily Gratitude Journal

Gratidão é, teoricamente falando, um estado emocional positivo de agradecimento, no qual alguém reconhece e aprecia o que recebe na vida. Tomar um tempo para experienciar gratidão pode fazer você sentir uma conexão social mais forte, sentir-se mais feliz e até mais saudável (porque melhora o seu humor e reduz os níveis de estresse). E aí, aceita mais este desafio?

Pelos próximos 7 dias, tente tirar 5-10 minutos toda noite para escrever cinco coisas pelas quais você é grato(a). Na hora de escrevê-las, procure estar com a mente totalmente focada no que está fazendo e sentindo. Para isso, também recomendo o uso do app ‘ReWi’, que citei em cima.

Assim como o exercício anterior, compartilhar a experiência de gratidão pode ser ótimo para intensificar o nível e a duração da sensação de felicidade, melhorar relacionamentos (pessoais e profissionais) e até fazer as pessoas se doarem mais em suas tarefas (no trabalho ou em casa). Se quiser se aprofundar mais no assunto, pode ler o livro indicado pela professora: ‘Thanks!: How the New Science of Gratitude Can Make You Happier.

B.  CONTROLE SUA ANSIEDADE

Aqui, tenho mais algumas ideias:

  1. Seja consciente sobre como se sente, com cada notícia que recebe e cada coisa que consome. Uma prática interessante é tentar buscar por notícias positivas a cada dia também.
  2. Priorize o seu sono e gerencie seus compromissos para a parte da manhã, mas não tão cedo. Não deixe nenhuma tarefa ou reunião pesada para o final do dia, mas tenha mais tempo para dormir também! Isso te ajuda a proteger outras funções corporais e é essencial para a sua saúde mental.
  3. Faça um ritual antes de dormir. Controle coisas que antes pareciam incontroláveis. Para isso, pode: preparar sua cama; usar loções corporais e por sons agradáveis no ambiente; estar consciente sobre o que sente e cheira no momento, etc. Tudo isso prepara o seu corpo para entender que é hora de descansar.
  4. Tente evitar o uso do seu celular e redes sociais algumas horas antes de ir para a cama. Eles podem afetar o seu sono. Pode acreditar, a maioria das notícias e informações estarão lá ainda no dia seguinte. Por isso, nos próximos dias, experimente desligar o seu celular, por no silencioso ou até deixá-lo em algum ponto da casa (sem usar) e aproveitar destas horas ganhas para outra atividade ou hábito (pode ser um daqueles que você criou lá em cima).

OBS: Aqui, vale um foco especial nas redes sociais. Elas devem ser usadas com muita cautela porque causam comparações sociais que podem bagunçar nossas cabeças e emoções e até causar depressão. Isso porque as redes sociais não nos dão informações com acuracidade sobre a vida das outras pessoas e podemos acabar caindo na armadilha de “comparar o nosso bastidor com o palco de alguém.” Por fim, nelas, somos cada vez mais expostos a propagandas que reforçam padrões sociais de ‘um corpo magro’, ‘o celular mais novo’, ‘a roupa da moda’, etc.

C.  MANTENHA-SE FOCADO(A) E PRODUTIVO(A)

Calma, não vou discursar sobre como sermos mais produtivos e blá blá blá. Antes de mais nada, temos que validar que estamos passando por uma crise econômica e de saúde e que nós (se não, conhecidos e amigos) corremos o risco de sermos desligados (se já não fomos). Por isso, é importante:

C.1 Autocompaixão

Seja compassivo com você assim como seria com outra pessoa, um amigo, etc. Todos nós seremos menos produtivos que o ‘normal’. Lembre-se de que estamos vivenciando justamente o que está sendo chamado de ‘novo normal’.

C.2 Foco na sua saúde mental

Ela pode, inclusive, aumentar a sua produtividade! Aqui, além de controlar sua ansiedade (que falamos no tópico anterior), é interessante pensar: Como fazer mais laços e conexões com a sua rede? Como fazer mais exercícios físicos? Como esvaziar e descansar a sua mente? Todos nós seremos diferentes quando tudo isso passar, por isso, sinta o que deve sentir. Mas tente planejar tempo no seu dia para aumentar a sua saúde mental e, assim, aumentar seu foco e produtividade também.

D.  ENCONTRE SEU PRÓXIMO DESENVOLVIMENTO OU CARREIRA

Se você foi um dos profissionais desligados nesta pandemia, saiba que este é o momento perfeito para ver as coisas ruins como bençãos na vida. Ser demitido é horrível, claro, mas te dá possibilidade de novas direções. Encontre o que você considerava significativo sobre seu trabalho, o que gostaria de ter de novo em uma próxima oportunidade.

A maior parte de nós vai passar por isso e chegar ao outro lado. Então, aproveite este momento para:

  1. Se conhecer, pensar nas suas forças e mapear que partes do seu trabalho se relaciona com elas. Isso te permitirá encontrar outro desafios que as reforce.
  2. Descobrir seu propósito. Sugiro novamente a leitura do meu último artigo aqui, para te ajudar nesta descoberta.
  3. Trabalhar em cima do seu perfil no LinkedIn (veja dicas aqui). Isso te ajudará neste processo e também dará visibilidade dele para outras pessoas, o que pode facilitar uma realocação mais rápida e assertiva.

Temos agora mais horas no dia, vamos aproveitá-las! Elas nos dão o que chamamos de “time-afluence”, um tipo de sensação de riqueza em tempo.

E.  TENHA FÉ

E a última ideia está relacionada à crença em um (agora sim) futuro melhor. Fé não tem a ver com religião, fé tem a ver com a confiança e “sensação de que vai dar pé…uma hora vai dar pé de novo” para citar a Natália Sousa, jornalista, escritora e autora do podcast ‘Para dar nome às coisas’. Aliás, no episódio 33 – ‘Paz em meio ao caos’, ela fala exatamente sobre um pouco do que comentamos aqui neste texto. E ela explica que esse “[…]pé é saber porque vale a pena viver, é saber por quem vale a pena viver.”

“Fé é aquilo que te lembra porque vale a pena acreditar, porque vale a pena lutar, porque vale a pena viver mais um dia.

[…] Fé é lembrar no meio do caos qual é o nosso cais”

Fé é também acreditar em você, na manifestação de alguma força superior através de você. Perceba isso nas vezes em que foi persistente, resiliente, quando se levantou depois de cair.

Por isso, para tornar esta quarentena menos difícil, lembre-se do que você tem, de quem você tem e sinta paz. Seja gentil com você, semeie emoções positivas, cuide da sua saúde física e mental e (por que não?) tenha fé.

Ana Carolina Lafuente
Por Ana Carolina Lafuente

Carioca de nascença, paulista de coração, meio brasileira e meio espanhola. Ana Carolina é formada em Publicidade e Propaganda pela ESPM Rio. Apaixonada por comportamento humano, começou a se aproximar da área de Pessoas na empresa júnior da faculdade e não largou mais dela desde então. Descobriu seu amor pelo empreendedorismo e seguiu sua carreira ajudando principalmente startups ou empresas em crescimento exponencial. Atuou em Employer Branding na Stone Pagamentos, tempo em que se especializou no tema através de cursos na ESPM e Lemonade School. Recentemente, concluiu uma formação em Product Management pela PM3 e hoje toca a área de Employer Branding da Collact, plataforma de CRM e fidelização de clientes, detentora do app e diretório ‘Compre Local’ e investida da Stone Pagamentos. Além disso, Ana ama escrever, descobrir diferentes culturas, viajar, conhecer novos lugares, bares e restaurantes, cozinhar, fazer exercícios, yoga e não dispensa um bom café ou uma taça de vinho.