Desde que o Employer Branding viralizou nas empresas observa-se uma centena de iniciativas e novas práticas para melhorar a reputação da marca empregadora, e com isso atrair excelentes profissionais, engajar os colaboradores e transformar estas iniciativas em resultados para o negócio. 

Uma das estratégias com maior investimento de tempo e orçamento é a experiência ou jornada do candidato. Atualmente há diferentes ferramentas digitais para auxiliar no processo e gerar o encantamento dos candidatos, independente do resultado do processo. 

Uma crítica antiga para as áreas de Recursos Humanos é falta de feedback ou alguma resposta clara sobre o processo de recrutamento. Estas ferramentas tecnológicas prometem e entregam uma solução simples e ágil para que todos os que se inscrevem nas oportunidades, recebam status ou respostas. 

Porém, ainda é alta a taxa de reclamação ou de posts nas redes sociais sobre a falta de feedback. 

Está comprovado que uma jornada do candidato clara e com resposta assertiva e nos momentos necessários, auxilia na marca empregadora, independente do profissional ser contratado. Sabe-se também que a falta de feedback pode prejudicar os investimentos e esforços no Employer Branding, uma vez que atualmente as pessoas expõem suas experiências em redes sociais, e rapidamente atinge-se milhares de pessoas. 

Como forma de ajudar as empresas a refletir sobre seus processos de atração de talentos, compartilho os dados da minha própria busca por uma nova oportunidade. Acredito que nestes resultados há uma clara necessidade de melhoria do processo de respostas e com isso, impulsionar a reputação da marca empregadora. 

Um esclarecimento importante é que quando me candidato em uma oportunidade, tomo o cuidado de estar realmente no perfil e expectativa da empresa descrita na vaga. Se há algum requisito obrigatório e que não possuo habilidade ou experiência, não me candidato ou faço contato com a empresa para saber se acreditam que eu poderia entrar na seleção mesmo sem possuir algum destes aspectos. 

Dados e Resultados

Experiência do Candidato – uma jornada na busca por respostas

De 15 de março a 03 de junho de 2021, foram 63 candidaturas e dezessete respostas (27%) por e-mail da não continuidade no processo e quatro delas com participação no processo seletivo até a etapa final. 

Quarenta e seis oportunidades não geraram nenhum tipo de respostas (73%), sendo que o tempo de espera por um feedback, entre a candidatura e data de corte desta análise (03 de junho), são: 30% de 50 a 80 dias, 9% de 31 a 49 dias, 33% de 16 a 30 dias e 28% de 1 a 15 dias.

Experiência do Candidato – uma jornada na busca por respostas

Nas dezessete oportunidades que encaminharam algum tipo de feedback, 71% levaram de 1 a 15 dias para encaminhar a resposta, 6% de 16 a 30 dias, 18% de 31 a 49 dias e 6% de 50 a 80 dias. Estas empresas parecem estar mais maduras na jornada do candidato, uma vez que o tempo de resposta da maioria foi mais curto.

Experiência do Candidato – uma jornada na busca por respostas

Em relação ao negócio das empresas que não geraram feedback, 37% são companhias de Tecnologia da informação e serviços, e empresas de Recrutamento e Seleção e Serviços financeiros empataram em 11%. Aquelas que forneceram feedback, 53% são de Tecnologia da informação e 18% Administração de serviços. Chama atenção que as empresas de tecnologia e de recrutamento foram as que representaram a maioria na falta de feedback, uma vez que se espera que este tipo de negócio esteja mais preparado para o processo.

Experiência do Candidato – uma jornada na busca por respostas

Comparando com o país de origem das companhias, 48% das candidaturas sem feedback são de empresas brasileiras e 33% americanas. As que forneceram feedback ou participação em processo seletivo, 53% são brasileiras, e empatadas em 18% empresas americanas e francesas.

Experiência do Candidato – uma jornada na busca por respostas

Sobre a ferramenta utilizada para a candidatura, 70% das empresas que não forneceram feedback possuem um ATS (Applicant Tracking System) ou sistema similar, 24% utilizaram a candidatura simplificada do LinkedIn e 7% envio de currículo por e-mail. As empresas que forneceram resposta ou participação em processo, 59% possuem um ATS ou sistema similar, 29% por candidatura simplificada do LinkedIn e 12% utilizaram e-mail para o processo. 

Conclusão

Nesta análise entende-se que das 63 empresas, 42 possuem um sistema para as candidaturas e mesmo assim 70% não forneceram feedback sobre o processo. Lembrando que estes sistemas possuem processo de e-mail automático aos profissionais que a empresa considera que não atendem ao perfil da vaga. 

Acredito que este resultado pode ajudar como oportunidade de melhoria na jornada dos candidatos para as empresas e como aprendizado por meio da visão do profissional em busca de recolocação ou nova experiência. É com os olhos de quem vive a jornada que iremos realmente ser assertivos em nossos processos de atração e consequentemente em nosso Employer Branding.

Alexandre Fleury
Por Alexandre Fleury

Carreira de 20 anos na área de Recursos Humanos e Comunicação Interna, e nos últimos 14 anos em função de liderança e gestão de pessoas.

Experiência e atuação em projetos de transformação organizacional com foco no desenvolvimento do negócio e engajamento dos colaboradores.

Responsável por liderar equipes nas áreas de Atração e Seleção, Cultura e Clima Organizacional, Endomarketing, Treinamento e Desenvolvimento, Comunicação Interna, Responsabilidade Social e Administração de Pessoal.