O que esses dois temas têm em comum?

Você confia na empresa em que trabalha? Se a sua resposta for sim, significa que algo que o seu empregador faz te transmite uma sensação de confiabilidade, seja pelo propósito de marca ou pela forma como ela se posiciona junto aos colaboradores e na comunidade.

Neste sentido, a responsabilidade das companhias nunca esteve tão em evidência como agora. Dados do estudo Edelman Trust Barometer divulgados no mês passado revelam que, atualmente, as empresas são as únicas instituições de confiança para os brasileiros. O mesmo estudo revelou também que elas são as únicas organizações vistas como competentes e éticas.

Na era da disseminação desenfreada de fake news e abuso do sensacionalismo por parte da imprensa, esse resultado mostra o grau de responsabilidade e influência que as companhias têm não só na vida de seus colaboradores, mas da sociedade em geral.
Ao mesmo tempo, se considerarmos que os empregados são, pelo menos em parte, embaixadores das empresas em que trabalham, podemos concluir que eles também são responsáveis pela imagem da companhia, seja para dentro ou para fora.

Um exemplo claro disso é quando nos apresentamos a alguém usando como referência a empresa na qual trabalhamos. No meu caso, eu sou Ana Paula, da Cyrela. Essa frase curta mostra que o que fazemos e a forma como nos comportamos no ambiente corporativo reflete diretamente na marca que representamos, e vice-versa.

Assim, uma boa estratégia de Employer Branding, seja para atrair ou reter talentos, é uma ferramenta fundamental na construção da confiança e credibilidade de uma marca. Um colaborador ou candidato que tem “fit cultural” com a empresa, gosta do ambiente de trabalho, se dá bem com seus colegas e é reconhecido pelo seu desempenho torna-se, consequentemente, um representante orgânico do propósito da companhia.

Por isso, cada vez mais as empresas brasileiras precisam investir em estratégias que incluam um planejamento sólido de Employer Branding. Felizmente, esse é um movimento que vem se tornando mais comum e valorizado, principalmente para construção de reputação. Afinal de contas, uma empresa é feita de pessoas e para pessoas, por mais clichê que essa frase seja.

Ana Paula Serpa
Por Ana Paula Serpa

Ao longo de 15 anos de carreira na área de Comunicação, tive a oportunidade de me especializar em Comunicação Institucional em grandes empresas, principalmente com atividades voltadas para assessoria de imprensa, gestão de crises e ações voltadas ao engajamento e motivação dos colaboradores. Além disso, atuo no suporte ao monitoramento de redes sociais e ao monitoramento de casos sensíveis, o que inclui a análise de perfis de potencial influenciador, bem como a criação de conteúdo para o Linkedin corporativo. Já coordenei a área de Comunicação Interna de uma multinacional industrial do setor eletrônico, atuando no desenvolvimento de matérias para o Jornal Mural semanal, intranet, newsletter eletrônica, além de acompanhamento de reuniões quinzenais para discussão de assuntos envolvendo ética profissional. Ao longo da minha carreira, atuei como interface para a assessoria de imprensa dentro da empresa, sendo responsável por reportar e aprovar ações para a diretoria, além de organizar e conduzir comitês de crise. Atualmente coordeno a área de Comunicação Institucional da Cyrela, incorporadora com quase 60 anos de experiência no mercado, com sede em São Paulo, responsável pelas frentes de assessoria de imprensa, comunicação interna e Employer Branding. Estou à disposição via direto caso deseje saber mais sobre meu trabalho.