Ideias para você gerir melhor seus relacionamentos

Chegamos ao quarto e último passo dentro da jornada de desenvolvimento da Inteligência Emocional (IE)! Nos textos anteriores, além de apresentar melhor o conceito geral e ideias relacionadas, trouxe mais detalhes e ferramentas dos três passos anteriores. São eles (com os devidos textos ‘hiperlinkados’): Autoconhecimento: como eu me vejo; Autogestão: como lido comigo e Empatia: o que vejo no outro. 

No texto de hoje, fechamos com o tema ‘Gestão de Relacionamentos: como lido com os outros’. Se você conhece seus sentimentos e emoções, é capaz de lidar com eles, e consegue identificar os sentimentos e emoções do outro também, pode seguir para a gestão dos seus relacionamentos. 

Vamos entender mais desse último passo, então?

A GESTÃO DE RELACIONAMENTOS 

Em algum texto anterior, comentei com você sobre o Ciclo da Ação, que é o seguinte:

4º Passo da Inteligência Emocional: ideias para você gerir melhor seus relacionamentos

Entrando um pouco mais a fundo, para criarmos padrões, seguimos o caminho abaixo:

4º Passo da Inteligência Emocional: ideias para você gerir melhor seus relacionamentos

O que podemos tirar de ambos os fluxos é que os fatos que acontecem com a gente geram em nós emoções, às quais atribuímos significado. Isso é guardado em nosso repertório e gera, por sua vez, crenças sobre nós, pessoas e o mundo. Nossas crenças nos levam a decisões e estas a ações ou atitudes. As nossas ações geram resultados e, reiniciando o ciclo, estes resultados são, para nós, fatos que geram emoções e significados em nosso repertório… 

É interessante termos isso em mente neste passo porque explica um pouco da nossa Neuroplasticidade, ou seja, a capacidade de nosso sistema nervoso em mudar, adaptar-se e se moldar a nível estrutural e funcional ao longo do nosso desenvolvimento e novas experiências. Alguém aí duvida que isso é essencial na gestão dos nossos relacionamentos? 

A Neuroplasticidade também está relacionada a nossa capacidade de criar e alterar hábitos. Para mudar ou alterar algum hábito dentro de um relacionamento, precisamos ter em conta a seguinte equação:

4º Passo da Inteligência Emocional: ideias para você gerir melhor seus relacionamentos

Temos que querer mudar e tentar várias vezes, com disciplina. Mas, para que serve isso?

Se formos analisar alguns relacionamentos, podemos nos deparar com Relações ‘Jogo de Tênis’, em que um joga para ganhar do outro, mas todos inevitavelmente perdem e saem emocionalmente cansados. Já viu ou vivenciou alguma relação assim? O nosso ideal é transformar todas as relações em Relações ‘Jogo de Frescobol’, em que duas pessoas aumentam sua rede de conexões no relacionamento e “jogam” sempre para elevar o nível da relação e porque sabem que a outra pessoa está pronta e quer isso. Todos ganham ou todos perdem. Aqui, as pessoas estão no mesmo time e não em times opostos. 

Só que, para esse último tipo de relação acontecer, é necessário que ambos os lados sejam flexíveis e tenham a capacidade de se moldar e adaptar; ou seja, precisam ter neuroplasticidade e a capacidade de criar novos ou alterar hábitos. Além disso, é preciso que sejam capazes de gerenciar conflitos. Esse ponto é tão importante dentro da Gestão de Relacionamento que vale entrarmos mais a fundo. 

COMO GERENCIAR CONFLITOS 

Há cinco (5) passos para se gerenciar conflitos. São eles: 

  1. Empatia; 
  2. Negociação; 
  3. Influência; 
  4. Conexão; 
  5. Feedfoward. 

Uma vez que vimos os dois primeiros passos no último texto (falamos de empatia e de Comunicação Não Violenta para negociação), focaremos aqui a partir do terceiro ponto. 

ESTÁGIOS PARA A INFLUÊNCIA

Há cinco (5) estágios dentro de uma relação de influência. Eles são conquistados gradualmente e sequencialmente. Um bom exercício é fazer a análise de em que estágio você está com cada pessoa que é importante para você, pessoal e profissionalmente. Conheça os estágios abaixo:

CONEXÃO

Conheço a pessoa

RELACIONAMENTO

Temos certas conversas e trocas

CONFIANÇA

Pessoa vê em mim um apoio, com quem pode contar e ser vulnerável

VALOR

Além de contar comigo, a pessoa pede conselhos a mim com frequência

INFLUÊNCIA

A pessoa me tem como referência, veste o que visto, me menciona para outros, usa minhas frases, etc.

Como os seus amigos te percebem? Seu familiares? Seus colegas de trabalho? E seu gestor(a)? Uma dica de livro aqui é ‘As cinco linguagens do amor’. É sobre elas que vamos falar mais a seguir: 

AS CINCO LINGUAGENS DA CONEXÃO 

É importante entendermos quais linguagens mais gostamos de dar e receber em nossos relacionamentos. Da mesma forma, também tente entender quais linguagens cada pessoa demonstra preferir dar e receber. Será que você está dando estas a ela? Será que pode dar mais? Descubra as linguagens abaixo:

  • Palavras de Afirmação: dar/receber elogios, reconhecimentos, palavras de carinho…; 
  • Presentes: dar/receber objetos ou experiências, surpresas, mimos e lembranças;
  • Toque Físico: abraçar, beijar, fazer carinho, fazer um cafuné, brincar com o cabelo, etc;
  • Atos de Serviço: fazer/receber favores, arrumar as coisas, cuidar/organizar, facilitar a vida, entre outros; 
  • Tempo de Qualidade: ter longas conversas, fazer atividades em conjunto, praticar esportes, participar de jogos ou brincadeiras. 

Questione-se: ‘Quais as duas principais linguagens pelas quais você expressa conexão?’ / ‘Quais as duas principais linguagens pelas quais você reconhece a conexão?’ 

Vamos, agora, ao quinto passo para a gestão de conflitos.

FEEDBACK X FEEDFOWARD

Acredito que a maioria das pessoas aqui já deva ter ouvido falar do termo feedback, correto? Mas e o conceito de feedfoward? 

Enquanto o feedback é uma devolutiva que se refere a algo do passado, identificando pontos positivos e aspectos a serem desenvolvidos para melhoria do desempenho de alguém, baseado em resultados apresentados, o feedfoward mira o futuro. Feedfoward é um controle por antecipação, uma orientação preventiva e estratégica com foco no futuro e suas possibilidades. Por que ele é tão importante? 

Tenha em mente que não podemos mudar o passado, apenas o futuro. O feedfoward, então, ajuda a nos concentrarmos em um futuro positivo, não em um passado fracassado. Além disso, é mais produtivo ajudar as pessoas a fazer o certo do que provar que estavam erradas (e o feedback, às vezes, caminha para isso). Por fim, as pessoas tendem a escutar mais atentamente o feedfoward do que o feedback. Muitas vezes, quando recebemos feedbacks, ficamos ocupados compondo uma resposta para nos certificarmos de que não falhamos, não é mesmo? 

O feedfoward é importante também para lidar com Conversas Difíceis. Falarei mais sobre elas e sobre a Comunicação Afetiva em um próximo texto. 

Por fim, trago mais um conceito que vi no curso de ‘Inteligência Emocional’ da Conquer para te ajudar na criação de padrões e na gestão de conflitos: o REIN.

CRIANDO PADRÕES E O REIN 

O método REIN nos ajuda a fixar algumas ações que devemos fazer caso queiramos criar ou alterar padrões para resolver conflitos. Ele significa:

  • RECONHECER: precisamos ter consciência de quais mudanças queremos realizar e compreender se elas serão relevantes em nossas vidas e quais ganhos nos trarão;
  • ENTENDER: o que você pode fazer diferente ou melhor para mudar? Quais são os impeditivos para a mudança? Sabendo disso, pode se preparar para eles e evoluir a si mesmo(a); 
  • INVESTIGAR: é importante compreender os ganhos e possíveis perdas da mudança. Faça sempre essa comparação, nada é óbvio e a maioria das coisas tem pontos positivos e negativos ao mesmo tempo. Além disso, saiba quais são suas necessidades. Dar luz à escuridão é o melhor caminho para a solução; 
  • NEGOCIAR: antes de tudo, negocie conflitos internos. Quando começamos novos hábitos, nos contamos algumas histórias desencorajadoras e desestimulantes. Negocie com elas. Lembre da dualidade entre Motivação X Disciplina, em que motivação é um motivo para agir. Por isso, negocie consigo mesmo(a) sempre. 

E aí, como você se sente depois do quarto e último passo? Já conseguiu sentir uma evolução nos três pontos anteriores? Sabe como irá trabalhar neste nos próximos dias e semanas? 

Espero que tenha conseguido te ajudar de alguma forma a desenvolver melhor essa importante soft skill que é a Inteligência Emocional. Mas lembre-se: este é um processo que não termina nunca. Por isso, ótima jornada a você!

Ana Carolina Lafuente
Por Ana Carolina Lafuente

Carioca de nascença, paulista de coração, meio brasileira e meio espanhola. Ana Carolina é formada em Publicidade e Propaganda pela ESPM Rio. Apaixonada por comportamento humano, começou a se aproximar da área de Pessoas na empresa júnior da faculdade e não largou mais dela desde então. Descobriu seu amor pelo empreendedorismo e seguiu sua carreira ajudando principalmente startups ou empresas em crescimento exponencial. Atuou em Employer Branding na Stone Pagamentos, tempo em que se especializou no tema através de cursos na ESPM e Lemonade School. Recentemente, concluiu uma formação em Product Management pela PM3 e hoje toca a área de Employer Branding da Collact, plataforma de CRM e fidelização de clientes, detentora do app e diretório ‘Compre Local’ e investida da Stone Pagamentos. Além disso, Ana ama escrever, descobrir diferentes culturas, viajar, conhecer novos lugares, bares e restaurantes, cozinhar, fazer exercícios, yoga e não dispensa um bom café ou uma taça de vinho.